Geral Política

Biden diz que EUA não vai suspender sanções até que Irã siga os compromissos


Presidente dos EUA sugere que o governo iraniano deve, primeiro, para seu programa de enriquecimento de urânio. Irã dá prazo até 21 de fevereiro para uma resposta de Washington. O presidente dos EUA, Joe Biden, assina atos executivos sobre meio ambiente, ao lado da vice-presidente, Kamala Harris, e do enviado especial presidencial para o Clima, John Kerry, na Casa Branca, na quarta-feira (27)
Mandel Ngan/AFP
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que não suspenderá as sanções contra o Irã até que a república islâmica cumpra com seus compromissos nucleares.
“Não”, respondeu Biden em uma entrevista ao canal CBS, ao ser questionado sobre a possibilidade de retirar as sanções impostas a Teerã na tentativa de obrigar o país a voltar a negociar e salvar o acordo nuclear.
Ele acenou positivamente com a cabeça quando o jornalista perguntou se os iranianos deveriam parar de enriquecer urânio primeiro.
O acordo de 2015, entre o Irã e várias potências, está por um fio desde 2018, depois da decisão do ex-presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do pacto e voltar a impor sanções a Teerã.
Um ano depois, o Irã suspendeu o cumprimento de vários compromissos incluídos neste acordo.
O governo de Biden expressou sua vontade de reincorporar os Estados Unidos ao acordo mas insiste que, antes de tudo, Teerã deve cumprir totalmente seus compromissos.
Em 4 de janeiro, Irã anunciou que havia acelerado seu programa de enriquecimento de urânio para 20% de pureza, o que supera muito os 3,67% permitidos pelo acordo, mas é muito baixo para produzir uma bomba atômica.
Biden anuncia mudanças na política externa dos EUA
Desde a chegada do democrata à Casa Branca em 20 de janeiro, a comunidade internacional está ansiosa para saber como ele cumprirá sua promessa de voltar ao tratado, complicada pela insistência do Irã de que primeiro as sanções sejam suspensas.
O confronto ficou mais claro no domingo, quando o líder supremo iraniano Ali Khamenei também não foi muito flexível.
“Se eles querem que o Irã retorne aos seus compromissos (…) os Estados Unidos devem suspender completamente as sanções, na prática e não no papel”, disse o aiatolá em um discurso transmitido pela televisão.
“Então, vamos verificar se de fato as sanções foram levantadas corretamente”, continuou ele, acrescentando que essa era “a política definitiva da República Islâmica”.
O governo Biden tem sido intencionalmente vago sobre como pretende avançar, mas o secretário de Estado, Antony Blinken, conversou com seus colegas alemães, franceses e britânicos na sexta-feira para formar uma frente unida com os três signatários europeus do acordo nuclear que se opuseram à retirada unilateral de Trump.
Eles enfrentam um prazo apertado: o Irã ameaçou banir inspetores internacionais de suas instalações nucleares em 21 de fevereiro se as medidas dos EUA não forem suspensas.
Reino Unido, Alemanha e França tentam salvar acordo nuclear com o Irã