Geral

Boate Commons, no Rio Vermelho, fecha as portas: ‘Não tivemos como segurar’

Uma das casas de shows queridinhas da juventude soteropolitana nas noites do Rio Vermelho é mais uma vítima da crise econômica gerada pela pandemia de covid-19. A Commons Studio Bar, localizada na Rua Odilon Santos, bem próximo da esquina com a Fonte do Boi, não abrirá mais. Está com uma placa de “vende-se” na frente.

“Trago uma notícia triste. O Commoms Studio Bar fechou as portas. Há uma placa de venda em sua fachada. Infelizmente confirmei com administradores da casa. Ainda não sabem se, no futuro, vão reabrir em outro lugar. Só o que sabemos é que a pandemia continua causando tristeza”, publicou o jornalista Mário Pinho, em sua página no Twitter, na noite desta sexta-feira (12), momento em que, nas CNTP, o bar estaria bombando.

O Alô Alô entrou em contato com um dos sócios da casa, o empresário Vince Athayde, que confirmou a má notícia. “Não tivemos mais como segurar”, resumiu ele, que comandava o espaço com o sócio Fernando Mariano. O músico Silvio de Carvalho, um dos órfãos do espaço como frequentador e como músico, também lamentou a falência. “Um lugar que deixou marcas profundas na música soteropolitana e fará muita falta, sem dúvidas”, declarou ele, em conversa com o Alô Alô.

O espaço, que tinha projeto arquitetônico premiado composto por pallets e caixas de feira de madeira, era uma referência em sustentabilidade (com um plano de redução de resíduos sólidos), e também encampava campanhas de conscientização dos frequentadores, como respeito à diversidade e contra o assédio sexual.

Estabelecimento concebido como uma multiplataforma de eventos, também recebia encontros culturais, corporativos e empresariais, além de cursos, palestras, workshops, entre outras atividades.

Inaugurada em fevereiro de 2013, a programação musical da casa tinha foco na nova música brasileira, com destaque para festas temáticas, como Baile Esquema Novo, Back in Bahia e Forró da Gota, e apresentações de artistas e grupos importantes nas cenas local e nacional como Anelis Assumpção, Márcia Castro, Larissa Luz, Illy, Lucas Santtana, Ronei Jorge, Cascadura, Retrofoguetes, Canto dos Malditos, Adão Negro, Os Myfriends, Scambo, Maglore, IFÁ, entre muitos outros. Vai fazer falta.