Geral Política

Donald Trump diz que não vai à posse de Joe Biden

Presidente eleito dos Estados Unidos afirmou concordar com a ausência de Trump na cerimônia de posse porque ele constrange o país ao redor do mundo. Donald Trump diz que não vai à posse de Joe Biden
A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos pode apresentar, já na segunda-feira (11), mais um processo de impeachment contra o presidente.
Se Donald Trump não renunciar imediatamente vai sofrer um novo processo de impeachment. Foi o que prometeu nesta sexta-feira (8) a presidente da Câmara Nancy Pelosi. Os democratas querem pelo menos um ato simbólico, que sirva como punição para o homem que incentivou a invasão do Congresso nesta quarta-feira (6) por trás de um vidro à prova de balas.
Jornais americanos publicaram que Donald Trump assistiu à cena da invasão positivamente perplexo. Que sentiu como se estivessem lutando por ele. Ele tem pela frente menos de duas semanas de mandato.
O que mais de 100 parlamentares pedem é que o vice-presidente assuma usando a 25ª emenda da Constituição. Esta emenda prevê que um presidente incapaz de fazer seu trabalho pode ser removido do cargo. O que Nancy Pelosi quer garantir é que Trump se torne inelegível e não possa voltar ao poder.
É um processo demorado que provavelmente não se concluiria. Além disso, precisaria de apoio do Senado, ainda de maioria republicana. Entretanto, alguns senadores do partido do presidente dão sinais de que estariam abertos a discutir.
Pelosi também conversou com o mais alto general do Pentágono. Pediu a ele que impeça que um presidente, que ela chamou de instável, comece uma guerra ou tenha acesso aos códigos para acionar armas nucleares.
Políticos dos dois partidos concordam, em diferentes níveis, com as palavras da democrata na carta desta sexta (8): “A invasão ao Congresso foi um ataque horrível à nossa democracia”.
Mesmo a secretária de Educação de Trump, tão fiel a ele nos últimos quatro anos, pediu demissão. Betsy Devos disse que o comportamento dos manifestantes incentivados por Trump foi inconcebível. Também pediram demissão a secretária dos Transportes, Elaine Chao, e pelo menos outros sete assessores da presidência.
Mais de cem diplomatas americanos assinaram um documento publicado nesta sexta (8), em que pedem que o secretário de Estado, Mike Pompeo, denuncie o presidente Trump por incitar a violência de forma incompatível com as leis do país, e que ele rompeu com a longa tradição de transferência pacífica de poder.
E continuam: “Assim como denunciamos líderes estrangeiros que usam violência e intimidação para atacar a democracia, as declarações públicas sobre este episódio também devem incluir o nome do presidente Trump. É fundamental que comuniquemos ao mundo que em nosso sistema ninguém – nem mesmo o presidente – está acima da lei ou imune às críticas públicas”.
Nesta quinta-feira (7), Donald Trump divulgou um vídeo em que promete seguir os protocolos. Disse que ficou horrorizado com o ataque odioso ao Congresso americano e que aqueles que praticaram atos de violência serão punidos. Prometeu também colaborar com uma transição ordeira para o governo de Joe Biden.
Nesta sexta, a Casa Branca disse que um impeachment motivado politicamente a 12 dias do fim do mandato só serviria para dividir ainda mais o país.
Na opinião de Biden, cabe ao Congresso julgar se Donald Trump deve sair. Mas que apesar de Trump ser um dos presidentes mais incompetentes que o país já teve, o jeito mais fácil de tirá-lo dali é tomar posse, em 12 dias.
Disse que muitos republicanos ligaram para ele chocados com a sequência de eventos. Biden disse que gostou de saber que Trump não vai à cerimônia de posse, porque ele envergonha os Estados Unidos ao redor do mundo.
É que, mais cedo, Trump disse que não vai comparecer à cerimônia de transmissão do cargo. Será o primeiro presidente em 152 anos a fazer isso. Privará o país de um momento simbólico, em que divergências são colocadas de lado e dois presidentes comemoram a transferência pacífica de poder, grande orgulho dos Estados Unidos, prejudicado agora por um único homem.
Na noite desta sexta, o Twitter comunicou que suspendeu permanentemente a conta do presidente dos Estados Unidos, @realDonaldTrump. O motivo apresentado pela empresa para o bloqueio foi o risco de incitamento a mais violência.