Geral

Enem: dicas e técnicas para controlar a ansiedade podem fazer a diferença

Véspera do Enem e não há mais nada a fazer a não ser esperar a hora da prova, dizem alguns. Não caia nessa! É claro que ninguém vai aprender todas as fórmulas de física ou entender cada detalhe sobre DNA para a prova de biologia. Tudo o que você tinha de estudar realmente já estudou. Há, porém, um fator que pode ser decisivo na sua aprovação: o controle das emoções e da ansiedade intensificada pela pandemia. Para isso, ainda hoje e até mesmo neste domingo, segundo dia de provas do Enem 2020, é possível fazer muita coisa. O CORREIO ouviu um especialista, além de diversos estudantes, para entender quais as melhores técnicas, atividades e até os pensamentos que o candidato deve ter pouco antes do grande desafio.  

A primeira coisa a se entender é que o medo e a ansiedade são normais, especialmente quando se é testado. O diferencial é administrar isso para, assim, conseguir dar o seu melhor durante a prova. Ainda mais quando se trata de encarar questões relacionadas a ciências da natureza e matemática, como nesse domingo (24), segundo dia de provas do Enem, é hora de buscar o equilíbrio e segurar as emoções. “Pensamos que somos seres racionais, mas não é bem assim. Aquilo que nos move, nos faz agir são as nossas emoções, a neurociência já provou isso. As nossas emoções são reguladas, às vezes, pela nossa razão”, diz  Marcos Raggazzi, especialista em gestão educacional, avaliação, psicanálise da criança e do adolescente, tecnologia educacional e neurociências. 

Diretor pedagógico do Bernoulli, Marcos Raggazzi observa que o momento é de muita pressão. Afinal de contas, ninguém quer decepcionar os seus familiares ou ser comparado com os outros colegas e amigos que já se deram bem no exame. O especialista lembra quie, se o estudante não estiver bem emocionalmente, isso vai lhe gerar medo. O medo gera ansiedade, que diminui o desempenho e diminui o poder de concentração, que por sua vez gera mais medo e ansiedade. “É um ciclo vicioso”. Portanto, o controle emocional adequado às vésperas do Enem pode ser fundamental. E, de hoje para amanhã, é possível fazer algumas técnicas e entender alguns processos. Se liguem nas dicas:  

Respiração 4 x 4 x 4

A técnica é simples e dá resultado, diz Marcos Ragazzi. Basta aspirar o ar durante quatro segundos, depois segurar o ar durante mais quatro segundos e, em seguida, expirar o ar durante quatro segundos. Faz esse ciclo quatro vezes. Pode fazer isso várias vezes espaçadamente. Inclusive pode fazer no dia da própria prova, imediatamente antes ou durante.”Isso vai trazer um poder de concentração muito maior”.

Desabafe com alguém de sua confiança

Colocar para fora em forma de diálogo os medos e ansiedades também pode trazer efeitos muito positivos. Conversar e colocar em palavras o que está lhe afligindo pode fazer toda a diferença. Pode ser uma pessoa da sua confiança. Não necessariamente essa pessoa vai dar conselhos ou criticar algo. O objetivo é que ela seja muito mais um ouvinte. “O que ele precisa é de uma pessoa para esvaziar suas angústias”, observa o especialista.

“Converse” com o espelho

Na falta de alguém para conversar, uma técnica que dá certo para diminuir a ansiedade é ir para frente do espelho e dialogar consigo mesmo. Uma conversa olho no olho com a imagem que está sendo refletida. “Isso é muito interessante e funciona. É comprovado cientificamente”.    

Esqueça o primeiro dia de provas

Ainda que você tenha ido mal no primeiro dia de provas – Ciências Humanas, Linguagens e Redação – é possível recuperar. O aluno precisa entender que o Enem é realizado em duas etapas. É como uma partida de futebol, diz o diretor pedagógigo. Se no primeiro tempo do jogo o time não foi bem, ele não pode ficar impactado negativamente para voltar para o segundo tempo. “O aluno tem que entender que o resultado final é a soma dos dois dias. Ele tem que esquecer aquilo que aconteceu para fazer a diferença no segundo dia”. O especialista observa que o fato de o segundo dia reunir provas como de química, matemática, física e biologia pode exigir ainda mais concentração dos estudantes. “A concentração pode fazer toda a diferença. Se você estiver bem emocionalmente para ter um raciocínio lógico-matemático adequado, isso pode fazer você superar alguns cocorrentes que não conseguem se concentrar tão bem. Então, se você não foi tão bem no primeiro dia, você ainda pode recuperar isso”.

Se distraia com o que gosta

Ler um livro que não aborde assutos das provas, assistir sua série preferida, fazer exercícios físicos, praticar yoga, meditar, dormir, comer o que gosta (se for leve) também podem ajudar muito no controle da ansiedade. 

O que dizem outros jovens sobre a ansiedade no Enem da pandemia?

Destacadas essas técnicas e dicas, ouvimos também os próprios jovens que estão prestes a ir para o segundo dia de provas do Enem. Assim, você poderá se enxergar melhor em cada um deles. 

– Arthur Crusoé Rocha Rebello, 20 anos, pretende cursar Psicologia:

Enem nunca é facil porque tudo que voce estudou por anos ate o momento é comprimido em dois dias. Além disso, assusta pensar que a prova decide uma grande parte do futuro e a ansiedade se faz presente na maioria. O único jeito que eu consigo lidar com a minha é aceitar o que nao posso mudar. Eu fiz meu esforço, se nao passar agora, um novo esforçoo será necessário, mas o do presente é que eu tenho agora. A pandemia piorou tudo definitivamente, mas com tanto tempo sozinho é assim que abri espaco pra crescer tambem, com muita meditação e introspecção. Um bom truque que aprendi para impedir a sobrecarga de pensamentos é concentrar na respiração. Imaginar uma pena flutuando na sua frente, mantendo ela no ar pela sua inspiracao e expiracao.

– Ana Carolina Santos Morena da Cunha, 17 anos, pretende cursar medicina

A ansiedade acaba sendo um fator bem presente nesse período de provas. Mas, por incrível que pareça, eu não estive muito ansiosa esses dias. Claro que teve aquele frio na barriga, mas procurei ao máximo mentalizar o esforço que eu fiz ao longo do ano e que eu estava bastante preparada. Na semana que antecedeu a prova do primeiro dia, eu até cheguei a resolver algumas questões do Enem mas vi que me deixou um pouco nervosa e acabei não terminando. Continuei apenas assistindo as aulas do meu colégio e revisando umas anotações. Quando me sentia um pouco mais preocupada, utilizava uma técnica de respiração diafragmática pra me acalmar (fiz isso durante a prova tambem). Me ajudou bastante a me acalmar e manter a concentração. Pra ajudar com a ansiedade nesses dias, eu também tenho procurado fazer coisas que eu gosto, como ir à academia, conversar com pessoas que eu amo, assistir um filme que eu gosto. A pandemia trouxe um cenário bastante incerto, o que colabora ainda mais pra acentuar nossa ansiedade, mas o ponto chave é mentalizar todo esforço que foi feito apesar do momento atípico.

– Ana Carolina Smith Rocha, 18 anos, pretende cursar Arquitetura e Urbanismo

O meu maior nervosismo era no primeiro dia, por conta da redação, aquele mistério todo acerca do tema. Uma coisa importante é que meu colégio se adaptou bem rápido às aulas online, então no quesito conteúdo me senti bem preparada. Melhorar o nervosismo é uma questão complicada, acho que o mais importante é você se conhecer e conhecer a si mesmo. Eu sei que me dediquei durante o ano, estudei e pratiquei como pude, então esse pensamento de “você deu o seu melhor” acho que ajuda bastante a tranquilizar. Esse pensamento conseguiu me manter calma até chegar lá na hora. Quando sentei na cadeira, a ansiedade bateu com força e para segurar eu fechei os olhos, respirei fundo diversas vezes e tentei confiar na base que eu desenvolvi durante o ano. Mas principalmente a respiração: inspira, segura, expira até a prova chegar e se concentra apenas nisso. 

– Carolina Pereira Bastos, 20 anos, pretende cursar Medicina

Estou realmente muito ansiosa. Esse segundo dia tem matérias que tenho um pouco dificuldade. Achei o primeiro dia tranquilo. Só fiquei um pouco ansiosa porque minha sala não teve distanciamenteo adequado e algumas normas não foram 100% atendidas. Essa situação atípica nos deixa ainda mais nervosos. Aprendi esse ano técnicas de respiração e isso melhorou consideravelmente meu estado emocional. Ajuda muito. Aconselharia qualquer pessoa fazer. Meu cursinho era presencial e foi para o formato on line. Foi muito difícil aprender a se organizar, seguir o cronograma e manter tudo em dia. Isso me abalou e abalou muita gente. Mas você vai pegando o jeito e supa. 

Guia covid para o Enem

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou todas as adaptações previstas para o certame que acontecerá em meio à pandemia. Entre as orientações, a mais importante é o uso obrigatório de máscara de proteção individual durante todo o tempo da prova, desde a entrada no local onde o estudante fará o exame. A exceção ao uso da máscara só ocorrerá nos casos de deficiências que impeçam a sua colocação. Além disso, a máscara deve cobrir toda a região do nariz até a boca, sendo permitido levar uma extra para a troca, como Rafael de Carvalho vai fazer.

A máscara também  só poderá  ser retirada para ingestão de líquidos e alimentos, desde que não seja tocada na parte frontal e com a posterior higienização das mãos com álcool em gel. No momento da identificação inicial do candidato, na chegada à sala da prova, ele deverá higienizar as mãos com álcool em gel próprio ou fornecido pelo aplicador, para só então entrar na sala. O candidato também  poderá ir ao banheiro devidamente acompanhado por um fiscal,  como nas edições anteriores, mas respeitando a distância mínima estabelecida nos protocolos de prevenção à infecção  covid-19. Ainda segundo o edital do Inep, todos que se recusarem a seguir as regras, especialmente do uso da máscara, poderão ser eliminados da prova a qualquer momento.

Higiene reforçada
De acordo com o infectologista Claudílson Bastos, professor de infectologia da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e da UniFTC, o candidato deve, além de levar seu próprio material individual para a prova, levar também álcool em gel para higienização constante das mãos. “A máscara, se for de pano, deve ser trocada após duas horas de uso. Ao ir ao banheiro, o candidato deve lavar as mãos com água e sabão ao chegar e ao sair”, recomenda Bastos.

O especialista em Enem e diretor de Ensino do grupo Bernoulli Educação, Rommel Domingos, alerta ainda para o comportamento do lado de fora das salas. “O estudante deverá evitar aglomerações nos dias das provas, mesmo se eles encontrarem pessoas conhecidas e colegas que não veem há muito tempo”, ressalta.

O Inep garante que haverá mais salas para a realização das provas, para possibilitar mais distanciamento social entre os participantes, e que será disponibilizado álcool em gel em todas elas para participantes e aplicadores. O órgão ainda disse que os locais de prova passarão por higienização antes de cada dia de aplicação e que profissionais que irão trabalhar no Enem estão sendo capacitados para se adequar às medidas de segurança. 

Quem for de grupos de risco (conforme informado ao Inep na inscrição da prova) ficará em salas com um número de participantes ainda menor que as demais. Nas salas normais, a ocupação máxima será de 50%. Nas de pessoas do grupo de risco, 25%. Entram nessa categoria, segundo o Inep, idosos, gestantes e pessoas com doenças respiratórias ou que afetam a imunidade. 

E quem estiver infectado? 
Quem tiver sintomas de covid-19 ou de outras doenças infectocontagiosas não deve comparecer aos locais de aplicação. Nesses casos, a condição deverá ser comunicada, por meio da Página do Participante, antes da aplicação do exame. O candidato deve solicitar a possibilidade de reaplicação da prova, apresentando documento que comprove a doença e tenha assinatura de um profissional de saúde. 

Já aqueles que apresentem sintomas somente na véspera ou no dia da prova, devem procurar o serviço de saúde para obter diagnóstico e avisar o Inep pela Página do Participante ou pelo telefone 0800616161 para receber orientações de como encaminhar seu laudo médico e pedir a remarcação da prova.

Como otimizar o tempo?
O diretor pedagógico executivo do grupo Bernoulli, Marcos Ragazzi, dá dicas para a hora da prova. Ele diz que é importante que o aluno mantenha a estratégia de realização de prova que já construiu ao longo dos estudos e simulados; uma mudança de última hora não é recomendada. Alguns métodos podem ajudar. Confira:

  • Fazer primeiro as provas de conteúdos em que tem mais facilidade;
  • Deixas as questões mais difíceis para o final, caso sobre tempo;
  • Saber que tem cerca de 3 minutos para cada questão e estar atento à contagem que o fiscal faz do tempo de prova;
  • Evitar ao máximo o chute ao acaso, primeiro tente resolver a questão;
  • Se sobrar tempo ao final, revisar as questões mais fáceis, pois elas valem mais pontos;
  • Reservar ao menos 15 minutos finais para preencher o gabarito.

Anota aí!
Janeiro 2021
Dia 24 – Aplicação do Enem impresso (2º dia)
Dia 31 – Aplicação do Enem Digital (1º dia)

Fevereiro 2021
Dia 7 – Aplicação do Enem Digital (2º dia)
Dia 24 – Aplicação do Enem PPL/Reaplicação (1º dia)
Dia 25 – Aplicação do Enem PPL/Reaplicação (2º dia)

Nesta edição, os participantes precisam estar atentos. Os portões dos locais de aplicação serão abertos mais cedo, às 11h30 (Horário de Brasília). Assim, o participante terá até 1 hora e 30 minutos para acessar o local de prova. Essa é uma das medidas de segurança adotada pelo Inep e tem o objetivo de evitar aglomerações do lado de fora dos portões. O fechamento dos portões acontece 13h e o início das provas, 13h30.