Saúde

França decide barrar viajantes de fora da UE para conter aumento nos casos de Covid


A medida passa a valer a partir de domingo. Viajantes de dentro da União Europeia deverão apresentar um exame negativo para a Covid-19. A República Tcheca também anunciou o fechamento de fronteiras nesta sexta. Passageiros têm a temperatura medida ao desembarcarem no aeroporto de Orly, em Paris, em foto de março de 2020
Reuters/Charles Platiau/Arquivo
cA lb
A França decidiu barrar viajantes de fora da União Europeia para tentar conter um aumento no número de casos de Covid-19 no país, anunciou o primeiro-ministro francês, Jean Castex, nesta sexta-feira (29). A medida passa a valer a partir de domingo (31).
As viagens entre os 27 países que fazem parte do bloco continuarão permitidas, mas a França passará a exigir a apresentação de um exame do tipo RT-PCR (o do cotonete), com resultado negativo, para poder cruzar a fronteira.
Também nesta sexta-feira, o governo da República Tcheca anunciou o fechamento de suas fronteiras para viagens não essenciais. A medida passa a valer a partir da primeira hora de sábado (30). A Alemanha também estuda uma medida parecida.
Pessoas usando máscaras são vistas caminhando perto da Torre Eiffel, em Paris, em 26 de dezembro
AP Photo/Michel Euler
Sem lockdown na França
Castex disse em entrevista coletiva que as variantes do coronavírus, identificadas pela primeira vez no Reino Unido e na África do Sul – mais transmissíveis –, são um grande risco para a França, mas defendeu que um terceiro lockdown nacional pode ainda ser evitado.
O governo da frança apresentou, nesta sexta, uma série de medidas para tentar conter o avanço da pandemia de Covid-19 no país, que já registrou mais de 75,7 mil mortos e ao menos 3,2 milhões de infectados.
Estabelecimentos comerciais, exceto os de alimentação, serão fechados a partir do meio-dia aos domingos. Durante a semana, esses estabelecimentos terão sua ocupação máxima reduzida.
Desde o fim de 2020, a França tem um toque de recolher decretado, a partir das 18h. O premiê disse que haverá um aumento no número de fiscalizações para o cumprimento desta norma, e também haverá uma força-tarefa para impedir a realização de festas ilegais.
VÍDEOS mais vistos do G1