Política

Governo Biden diz que não prevê contato com Maduro no curto prazo


Porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que novo governo apoia ‘transição pacífica’ de poder na Venezuela. Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em entrevista coletiva de 24 de janeiro
Jhonn Zerpa/AFP
O governo do presidente Joe Biden nos Estados Unidos anunciou nesta quarta-feira (3) que não prevê contatos diretos com o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. O líder do chavismo venezuelano tem pedido uma melhoria nas relações entre os dois países após as tensões com a Casa Branca no mandato de Donald Trump.
“Certamente não esperamos nenhum contato com Maduro no curto prazo”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, chamando o líder venezuelano de “ditador”.
Price disse que Biden e a vice-presidente, Kamala Harris, continuarão com a política de Trump de reconhecer o líder opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, considerando-o como líder da Assembleia Nacional democraticamente eleita em 2015.
“O objetivo primordial do governo Biden-Harris é apoiar uma transição democrática e pacífica na Venezuela através de eleições livres e justas e ajudar o povo venezuelano a reconstruir suas vidas e seu país”, disse o funcionário do Departamento do Estado.
“Maduro é um ditador. Sua repressão, corrupção e má gestão geraram uma das crises humanitárias mais assustadoras que este hemisfério já viu”, acrescentou.
Crise na Venezuela
Antiga potência petroleira, a Venezuela vive um desastre econômico, aprofundado desde a chegada ao poder de Maduro, em 2013, uma situação que segundo a ONU provocou a saída do país de mais de 5,4 milhões de pessoas.
Dois anos depois de romper relações diplomáticas com os Estados Unidos, Maduro se declarou dias atrás disposto a estabelecer “um novo caminho” com o novo governo de Biden, “na base do respeito mútuo, no diálogo, na comunicação e no entendimento”.
A Venezuela “está disposta a virar a página e a construir novos caminhos de respeito, diálogo e comunicação diplomática com o novo governo dos Estados Unidos”, disse.