Geral

Investigações revelam que “Cartel das Placas” rendia lucro de R$ 5 milhões

As investigações sobre o caixa do “Cartel das Placas” no Detran revelaram que o esquema, desarticulado no último dia 10 pelo Ministério Público do Estado (MP), rendia um lucro anual de ao menos R$ 5 milhões para a rede de empresas suspeitas de dominar o setor de emplacamento veicular na Bahia há mais de três décadas. Segundo apurou a Satélite, a análise do fluxo financeiro do cartel apontou que cada uma das 14 empresas até agora identificadas como integrantes do esquema recebia, em média, R$ 30 mil mensais, já descontadas despesas legais e operacionais – cerca de R$ 360 mil por ano. Os repasses eram feitos pelo empresário Adriano Muniz Decia, preso a pedido do Grupo Especial de Combate às Organizações Criminosas do MP (Gaeco) e tido como o principal operador do cartel. 

Contabilidade oculta 
O lucro do esquema foi calculado com base nas contas de 2019, quando o cartel perdeu força por causa da modernização do serviço e de novas regras adotadas pelo Detran. Para o Gaeco, a renda era certamente maior nos anos anteriores.

Entrega a caminho
Até a próxima sexta-feira, o MP vai oferecer à Justiça a primeira denúncia contra alvos da Operação Cartel Forte, garantem fontes que atuam no caso. Conforme antecipado quinta-feira passada pela coluna,  o Gaeco estava prestes a concluir e remeter ao Judiciário o pedido de abertura de ação penal e a consequente condenação de até cinco suspeitos de participar do esquema.

Ponta de iceberg
Os movimentos na cúpula do MP indicam ainda que o ataque ao cartel é o início de uma ampla ofensiva para desmontar outros ramos de corrupção supostamente montados no Detran. Caso a tendência se confirme, será a primeira vez que a Promotoria se concentrará para investigar com profundidade a caixa-preta do órgão.

Bola de cristal
Em grandes bancas de advocacia , dá-se como certa a escolha do advogado Luiz Coutinho para juiz efetivo do TRE na vaga reservada à classe. A certeza de que ele será nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro vem da sua ligação com o procurador-Geral da República, o baiano Augusto Aras.

Força maior
A pesquisa encomendada pelo prefeito Bruno Reis (DEM) para medir a aceitação dos moradores de Salvador quanto às medidas duras de isolamento na pandemia, cujos resultados foram divulgados na edição de ontem, mostrou também que o retorno às aulas presenciais é rejeitado pela imensa maioria dos 1.277 entrevistados nos últimos dias 17 e 18. De acordo com a sondagem, 69% e 75%, respectivamente, se disseram contra a reabertura das escolas dos ensinos Médio e Fundamental no atual momento.

Ou vai ou racha
Projeções mais recentes dos órgãos de saúde reforçaram no governo do estado e na prefeitura da capital o sentimento de que o lockdown será inevitável em curto prazo. Os dados foram considerados piores do que o previsto.

Vamos encontrar um caminho para ajudar estados, municípios e União com recursos. É fundamental garantir mais investimentos para reforçar o combate à pandemia e comprar vacinas” – Otto Alencar, senador do PSD da Bahia, ao ser eleito ontem presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado