Geral

MG já teve 154 crianças com suspeita de ter síndrome rara associada à Covid


Ao todo, 48 casos foram confirmados em Minas, segundo Secretaria de Estado de Saúde. Síndrome associada à Covid já acometeu pelo menos 45 crianças de Minas, 57% delas de 0 a 4 anos (imagem ilustrativa)
Luma Pimentel / Unsplash / Divulgação
A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) investiga 154 casos suspeitos de síndrome inflamatória pediátrica, possivelmente provocada pela Covid-19. Já foram confirmados 48 casos. Quarenta e quatro crianças já receberam alta. O estado não registrou óbitos pela síndrome.
O nome completo da síndrome é Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica Temporariamente Associada à Covid-19 (SIM-P).
Os números constam no boletim epidemiológico que o governo passou a divulgar, desde 1º de setembro, sobre esta síndrome rara que está acometendo as crianças durante a pandemia.
Uma semana antes, no dia 7 de janeiro, havia 133 casos suspeitos. O número de casos confirmados era 45.
Desde julho, a notificação pela SIM-P se tornou obrigatória. A primeira vez que o assunto veio à tona foi no dia 6 de agosto, quando duas crianças já estavam sendo acompanhadas, mas especialistas apontam a possibilidade para mais subdiagnósticos, já que a síndrome tem semelhanças com outra, a de Kawazaki, com febre, manchas vermelhas na pele, conjuntivite, edema de pés e mãos.
A Secretaria de Estado de Saúde alerta que nem todos os casos de SIM-P têm febre. As crianças diagnosticadas necessariamente testaram positivo para Covid-19. Os sintomas podem evoluir de forma grave com insuficiência respiratória, doença renal aguda, insuficiência cardíaca aguda.
Relembre reportagem de 23 de dezembro: MG já teve 117 notificações de crianças com síndrome rara associada à Covid-19
Distribuição dos casos
Em Minas, a SIM-P foi confirmada em crianças de 0 a 14 anos – mais da metade delas (56,3%) com até 4 anos. Em 65% dos casos, as crianças são do sexo masculino. Em 87,5%, elas não tinham nenhuma comorbidade ou fator de risco.
Veja reportagens do JN sobre o coronavírus: