Política Saúde

Na pandemia, governo corta benefícios para pesquisa e atinge Butantan e Fiocruz

Uma medida adotada pelo governo Jair Bolsonaro irá afetar, ainda mais, a produção científica no país em meio à pandemia. Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, houve um corte de 68,9% da cota de importação de equipamentos e insumos. A medida afeta principalmente as ações desenvolvidas pelo Instituto Butantan e pela Fiocruz para combater a covid-19.

Em 2020, o valor foi de US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão, em valores de hoje). Para 2021, serão apenas US$ 93,29 milhões (R$ 499,6 milhões). Esta corta é o valor total de produtos importados de outros países, destinados à ciência, que ficam livres de impostos.

Um levantamento feito pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) mostra que a redução feita pelo governo Bolsonaro, em plena pandemia, é a maior na última década.

Em 2010, o valor da cota foi de US$ 600 milhões. Em 2014, foi de US$ 700 milhões. E, em 2017, 2019 e 2020, caiu para US$ 300 milhões.

Os US$ 93,29 milhões de 2021 não são suficientes nem para os projetos voltados à pandemia.