Geral

Prefeitura emite nota sobre ‘fake news’ de que festas e shows estão liberados em Santarém


Notícia falsa está circulando nas redes sociais. Segundo a nota, tanto quem divulga quanto quem compartilha pode ser responsabilizado criminalmente. Órgãos de segurança saem nas ruas de Santarém para fiscalizar o cumprimento do decreto estadual e decisão judicial
Divisa/Divulgação
Nas últimas horas a notícia de que estava liberada a realização de festas e shows se espalhou nas redes sociais em Santarém, no oeste paraense. Por esse motivo, por meio de nota, a Prefeitura Municipal esclareceu que trata-se de “fake news”.
A Divisão de Vigilância Sanitária (Divisa), assim como a Procuradoria Jurídica da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) ressaltam que permanece em vigor a decisão judicial que proíbe a realização destes tipos de eventos e outros que causem aglomeração, como medida de enfrentamento à pandemia da covid-19.
A nota ressalta que tanto a Divisa quanto os demais órgãos de segurança municipais e estaduais continuam fiscalizando o cumprimento da decisão da Justiça e o decreto estadual, percorrendo diversos pontos da cidade.
As pessoas que divulgam ou compartilham essa notícia falsa sem checar a fonte podem até ser responsabilizados criminalmente. E quem descumprir às recomendações previstas em decreto, está sujeito a uma série de sanções que envolvem a notificação, pagamento de multas e a condução dos responsáveis até a delegacia de Polícia Civil.
Atualmente, a região do Baixo Amazonas está em “bandeira laranja” em relação à classificação do Governo do Estado, que corresponde ao risco médio de contágio da covid-19.
Em paralelo, de acordo com a Prefeitura, também tem sido realizado o trabalho em barreiras sanitárias montadas nos portos, aeroportos e rodoviária do município. Ação que conta com a parceria entre os órgãos de segurança e tem como objetivo detectar, de forma precoce, casos de pessoas infectadas pela doença e, assim, evitar que a “segunda onda” chegue a Santarém.
VÍDEOS: Mais vistos do G1 Santarém e Região