Geral

Ramon lamenta falta de experiência de time jovem do Vitória

Leão teve dificuldades de criar ataques contra o Avaí

Ramon Menezes segue com dificuldades para emplacar o seu trabalho no Vitória. Neste sábado (31), o rubro-negro empatou sem gols com o Avaí em casa e segue com apenas duas vitórias na Série B, a quatro jogos do final do primeiro turno.

O técnico ressaltou que o momento negativo, com a equipe lutando contra o rebaixamento, é ainda mais pesado para os atletas por conta da pouca idade da maioria deles.

“O nosso grupo é muito jovem, tem jogadores que nesse momento estão sentindo. E vão sentir mesmo, é normal. Então fiz a opção por colocar um time mais forte e experiente, que tivesse uma sustentação boa dentro de campo, tanto na parte ofensiva como defensiva”, explicou sobre a escalação, com a volta de Van, Roberto, Ygor Catatau e Gabriel Bispo.

“Íamos enfrentar um adversário que vem muito bem no campeonato. Vindo de uma derrota como a que tivemos em casa (contra o Grêmio, 3×0 pela Copa do Brasil) isso cria insegurança para os jogadores mais jovens. Então fiz a opção pela entrada do Ygor, para ter mais velocidade, e do Guilherme, que apesar de jovem, é um jogador forte”, concluiu.

Ramon tem três vitórias à frente do clube. Uma pela Copa do Brasil, quando bateu o Internacional, além dos jogos contra o Brusque e a Ponte Preta. O técnico está pressionado no cargo, mas se defendeu.

“Vim para o Vitória para vencer. Estou aqui dando a minha cara a tapa por isso. Moro aqui na concentração e passo 24 horas respirando o clube. Então fico muito triste também com a situação que o clube está atravessando. Mas a saída é passar confiança aos atletas. Hoje, embora tenhamos empatado, acho que o time foi mais equilibrado, não sofreu tanto quanto sofremos contra o Grêmio”, disse.

Ramon falou muito da juventude da equipe, que teve neste sábado três atletas revelados nas categorias de base do Leão. Contra o Grêmio, foram sete jogadores formados no clube.

“Enfrentamos hoje um adversário que se você pegar, o goleiro é experiente (Glédson, 38 anos), o zagueiro também (Betão, 37), tem o Valdívia (26), que é um atleta com experiência de Série A, o Copete (33), que é acostumado também à Série A e isso ajuda muito”, disse o técnico.

“Nossos jogadores, por outro lado, são muito novo. Marcelo (Alves, zagueiro) tem 23 anos, Ygor (Catatau) tem 26, mas foram jogadores que atuaram pouco na Série A. Bispo (Gabriel, 24 anos) jogou no Juventude ano passado. Esses são os atletas mais experientes nossos. Então é difícil jogar para cima de jogadores muito novos uma responsabilidade dessas. Como Pedrinho, que tem 19, por exemplo”, disse.

Ramon comparou o elenco atual do Vitória com o de outro momento em que o clube apostou em jovens atletas. “Quando cheguei ao Vitória, em 1994, tinha uma base montada aqui que tinha o João Marcelo, Ronaldo, Gil Sergipano, todos campeões brasileiros. Tinha Pichetti, Roberto Cavalo, então esses jogadores que davam a sustentação para os jovens jogadores como eu era”.