Geral

Ritmo de expansão vai se manter acelerado

Donaldson Gomes, editor do CORREIO, com Leopoldo Leão (à esquerda) e José Antônio Tanajura Filho (à direita)

O processo de expansão imobiliária em direção ao Litoral Norte pode até ter sido acelerado pela pandemia do coronavírus, mas é além de ser uma realidade anterior à crise de saúde, deve permanecer pelos próximos anos, acreditam empresários do mercado imobiliário baiano. As expectativas são de que a região seja alvo de diversos investimentos nos próximos anos, tanto privados, quanto por parte do poder público.

O programa Política & Economia veiculado ontem no Instagram do CORREIO (@correio24horas) recebeu José Antônio Tanajura Filho, diretor-executivo da Jequitibá Construtora, e Leopoldo Leão, sócio da Leão Construtora. Eles conversaram com o jornalista Donaldson Gomes sobre as oportunidades de investimentos que existem atualmente no Litoral Norte da Bahia.

“Esse processo de expansão vem de antes da pandemia, era uma tendência pelo encurtamento das distâncias. Se formos voltar no tempo, Itapuan já foi segunda moradia, era pra curtir praias, depois isso mudou para Villas do Atlântico, depois Jauá e por aí foi”, lembra Leopoldo Leão. “Guarajuba, Itacimirim e Praia do Forte já vinham se expandindo há muito tempo e se tornando destinos de primeira moradia por este sendo de encurtamento”.

Segundo ele, entretanto, é incontestável que a pandemia acelerou este processo. “Há um desejo cada vez maior das pessoas de se preservarem, de viver mais em contato com a natureza, e o Litoral Norte se encaixa perfeitamente aí. É uma região muito bonita, com praias lindas, terrenos mais amplos, condomínios mais amplos”, diz. Leopoldo Leão acredita que esse processo de expansão deve se manter em ritmo acelerado ainda por um longo período.

José Antônio conta que há quatro anos, a Jequitibá começou a perceber a pujança do litoral. “Há cinco anos vimos que o mercado de Salvador estava ficando retraído e passamos a analisar alternativas. E a gente percebia o volume de negócios acontecendo no Litoral Norte, com valores e volumes interessantes”, lembra. “Estamos colhendo frutos de uma decisão que tomamos há quase cinco anos”.

Os novos modais de transportes e novas vias devem aproximar cada vez mais a região de Salvador, acredita José Antônio. “Você tem uma via expressa, com pista dupla e toda a segurança. Eu sinceramente não consigo vislumbrar hoje um limite para o crescimento do litoral. Claro que quanto mais perto de Salvador, mais rápido o avanço, porém não se resume a isso”, avalia.

Mesmo sem imaginar a chegada de uma pandemia, José Antônio conta que diversos cuidados adotados durante a implementação do projeto foram muito bem recebidos pelo público. “Nós tivemos vendas acentuadas durante a pandemia porque o que projetamos, mesmo sem ter ideia do que aconteceria, era o que acabou sendo buscado depois”, conta. “Nosso projeto é pouco adensado, em comparação com o que se tem feito no litoral, investimos muito em privacidade, fizemos um clube que a gente chega a brincar, chamando de resort”, destaca.

Segundo ele, em meio ao contexto de restrições de lazer e segurança, o empreendimento surgiu para muita gente como uma opção perfeita para a retomada de pelo menos um pouco da qualidade de vida. “Todas as famílias perderam qualidade de vida, mas muitas conseguiram manter a renda”, acredita.

A chegada da pandemia acelerou este processo, explica Leopoldo. “As pessoas passaram a valorizar mais a natureza, a buscar um espaço de convivência melhor para a família, isso inclusive nos centros urbanos, mas beneficiou demais as áreas litorâneas. E isso é uma tendência dos empreendimentos no Litoral Norte”, acredita.

A Leão Construtora vai lançar na próxima semana o empreendimento Fazendas Santa Fé, na Reserva Sapiranga. Segundo Leopoldo Leão, sócio da construtora, o projeto começou a ser desenvolvido há quatro anos e tem sido alvo de uma enorme procura. Segundo ele, o empreendimento segue o padrão de um condomínio fazenda, com lotes de 1 mil metros quadrados, em  média de extensão. Para Leopoldo, a possibilidade de estar a cinco minutos da Praia do Forte e ao mesmo tempo usufruir de um ambiente de fazenda explica a atratividade que o loteamento está atraindo.

No caso da Jequitibá Construtora, o litoral foi a aposta para o primeiro projeto, há quatro anos. A empresa escolheu Imbassaí pensando no potencial de valorização da região. “Buscamos um local onde poderíamos ter uma vila orgânica, com pessoas da região, serviços e nos encantamos com a praia quando chegamos”, conta. O primeiro projeto está sendo entregue pela empresa agora e deve lançar um próximo projeto em breve.  

O projeto Boom do Litoral Norte é uma realização do jornal Correio com o patrocínio do Iberostar e da Prima Empreendimentos.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário