Política

Rússia amplia investigações e buscas contra aliados de Navalny


Opositor de Putin foi preso ao voltar à Rússia, após se recuperar na Alemanha de tentativa de assassinato por envenenamento. Protestos contra sua detenção reuniram milhares de pessoas. Alexei Navalny junto com a esposa Yulia e o filho Zakhar em Berlim
BBC
A Rússia ampliou as investigações e buscas contra aliados e familiares de Alexei Nalvany, opositor do presidente Vladimir Putin que está preso desde que voltou ao país no dia 17.
A repressão ocorre em meio a protestos contra a detenção de Navalny, que estava na Alemanha se recuperando de uma tentativa de assassinato por envenenamento.
O apartamento de Navalny em Moscou foi invadido pela polícia na quarta-feira (27). “Eles não permitem que minha advogada venha e quebraram minha porta”, gritou Yulia, sua esposa, pela janela.
A polícia também realizou buscas em um apartamento onde estava o seu irmão Oleg, nos escritórios da organização do político (o Fundo de Combate à Corrupção) e na residência do seu porta-voz, Kira Iarmych, que foi condenada na sexta-feira (22) a nove dias de prisão.
Além disso, investigadores anunciaram nesta quinta-feira (28) que abriram um processo criminal contra Leonid Volkov, aliado próximo de Navalny, por suspeita de incitar adolescentes a participarem de protestos ilegais.
O escritório de supervisão das telecomunicações da Rússia anunciou que vai sancionar o Facebook, o Instagram, o Twitter, o TikTok, o YouTube e sites locais por terem permitido mensagens incitando menores a participar dos protestos.
Protestos contra a prisão
Multidão participa de protesto a favor do líder opositor russo Alexei Navalny, em Omsk, neste sábado (23)
Alexey Malgavko/Reuters
Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas no sábado (23) para exigir que o Kremlin libertasse Navalny, que cumpre pena de 30 dias por suposta violação à liberdade condicional — o que ele nega.
Mais de 1,6 mil pessoas foram detidas nos protestos, que ocorreram em dezenas cidades mesmo com a proibição do governo.
As buscas ocorrem em meio a uma investigação do Ministério do Interior por violação de “normas sanitárias” por causa da pandemia do novo coronavírus.
As autoridades anunciaram também investigações por convocações de distúrbios, violência contra a polícia ou incitar menores a cometer ações ilegais.
Os apoiadores de Navalny convocaram um novo protesto, desta vez em frente à sede da FSB, o Serviço Federal de Segurança, que substituiu a KGB.
Envenenamento com Novichok
Navalny acusa Putin e a FSB pelo envenenamento com Novichok, um agente neurotóxico, em agosto. “Afirmo que Putin está por trás do ato, não vejo nenhuma outra explicação”, afirmou Navalny em outubro.
O governo russo nega qualquer envolvimento no envenenamento. Putin, que se recusa a dizer o nome do seu adversário, afirmou em dezembro que “se alguém quisesse envenená-lo, teriam acabado com ele”.
O que é a substância neurotóxica Novichok
Navalny desmaiou em um voo de Tomsk, na Sibéria, para Moscou e só sobreviveu porque o avião fez um pouso de emergência em Omsk, onde foi levado às pressas para a UTI.
Ele chegou a ficar alguns dias internados na Rússia, mas acabou transferido em coma induzido para a Alemanha, onde ficou mais 32 dias internado.
Após uma recuperação de cinco meses na Alemanha, retornou à Rússia no dia 17 e foi imediatamente detido.
Reação internacional
“Estou surpreso de ver até que ponto um só homem, Navalny, parece preocupar ou até amedrontar o governo russo”, afirmou em Washington o novo chefe da diplomacia americana, Anthony Blinken.
O secretário de Estado dos EUA disse que está “profundamente preocupado com a segurança de Navalny” e afirmou que ele é o porta-voz de “muitos russos e deveria ser ouvido, não amordaçado”.
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais