Geral

Trailblazer: SUV da Chevrolet oferece tecnologia e conforto para até sete pessoas

Movido a diesel e com tração 4x4, o Chevrolet Trailblazer é robusto e pode levar até sete pessoas. Oferecido em versão única, custa R$ 313.160

Apesar da grande variedade de veículos no mercado brasileiro, se você quiser um SUV a diesel, com tração 4×4 e sete lugares sua pesquisa irá se resumir a apenas três modelos: Chevrolet Trailblazer, Mitsubishi Pajero Sport e Toyota SW4. Os três são derivados de picapes, ou seja, utilizam como base, respectivamente, S10, L200 e Hilux.

Até o portfólio de versões para esses produtos são resumidos, com no máximo duas configurações. No caso do Trailblazer, há apenas uma, a Premier. Assim, por R$ 313.160, a Chevrolet entrega um veículo bem completo. Para quem gosta de tecnologia, as atrações estão disponíveis antes mesmo de entrar no SUV. 

Dê play e confira a avaliação em vídeo

À distância, pelo aplicativo, é possível conferir a pressão dos pneus, a autonomia do combustível e saber a localização do carro. Esse sistema permite até mesmo a partida remota, e assim climatizar a cabine. Outra opção para ligar o motor é pela chave, mas nesse caso o condutor não pode estar tão longe do Chevrolet.

Outro ponto interessante é a possibilidade de acomodar até sete pessoas a bordo. Além das duas tradicionais fileiras de bancos, há uma terceira, que pode ficar recolhida no porta-malas. E mesmo com todos os bancos sendo utilizados, o bagageiro ainda conta com 235 litros de espaço.

Para quem viaja na segunda e terceira fileira, o conforto é garantido por um sistema de ar-condicionado com saídas de ar no teto, que tem comando de ventilação individual. Mas o motorista pode bloquear o sistema traseiro por uma tecla no console central.

Quem vai no comando pode também selecionar o tipo de tração, que é prioritariamente traseiro. Mas para melhorar a aderência, a força pode ser dividida entre os eixos. Para situações mais complexas, existe a opção da reduzida. Esse sistema é associado a transmissão automática de seis velocidades e ao propulsor turbodiesel de 2.8 litros. 

Em sua última atualização, o motor teve a turbina otimizada e isso deixou as acelerações mais progressivas. O rendimento não mudou: são 200 cv de potência obtidos a 3.660 rpm e 51 kgfm de torque máximo, disponíveis aos 2 mil giros.

Experiência
Apesar de ser um veículo que chegou ao país no final de 2012, o Trailblazer foi sendo ajustado periodicamente. Conta com alerta de colisão dianteira, detector de pedestres com frenagem automática, monitoramento de faixa e wifi a bordo. O espaço interno agrada bastante, é uma ótima opção para viagens.

O motor rende muito bem para um SUV que pesa 2.161 kg. Em nossa aferição, a média de consumo na estrada foi de 11 km/l. Em ciclo urbano o consumo ficou em 9,5 km/l.

Apesar do bom conjunto, duas coisas me incomodam para um veículo deste preço: falta um botão para a partida do motor e os faróis são poucos sofisticados. O câmbio pode ser operado de modo manual, pela alavanca, mas poderia haver paddle shifters no volante.

Mercado
Entre os concorrentes, o Pajero Sport, que é importado da Tailândia, custa R$ 333.990 na versão HPE e R$ 367.990 na opção HPE-S. Fabricado na Argentina, o SW4 SRX de sete lugares custa R$ 359.790. O Trailblazer é produzido no interior de São Paulo.

Levando em conta o preço médio de cada uma das seis primeiras revisões, o modelo da Chevrolet é o que oferece o menor custo de manutenção programada. São R$ 1.221,60 contra R$ 1.405 do Toyota e R$ 1.617,60 do Mitsubishi. 

Nos três, o intervalo é de 10 mil quilômetros ou 12 meses, prevalecendo o que ocorrer primeiro. A garantia do SW4 é a maior, com cobertura de cinco anos. Os outros dois contam com três anos.

O único opcional Trailblazer é a pintura. São seis cores disponíveis, cinco delas são metálicas e quatro delas custam R$ 1.900 a mais. A única cor sem acréscimo é a vermelha Edible Berries. Até a branca, que é sólida, tem custo extra de R$ 850.

A diferença de preço do Trailblazer para o SW4, que é o mais vendido da categoria, supera os R$ 45 mil – valor suficiente para comprar um Renault Kwid. É uma discrepância grande, que supera os 12%. Além disso, o Chevrolet tem a manutenção ligeiramente mais barata. Ou seja, é um produto que deve ser levado em consideração.