Geral

Vasco é o único time de quem o Bahia não tomou gol no Brasileirão

Douglas, goleiro do Bahia, durante uma sessão de treino no dia 29 de janeiro

O empate em 0x0 com o Vasco, no último domingo, em São Januário, no Rio de Janeiro, não era bem o que o Bahia desejava. Por um lado, ficou a sensação de que o tricolor poderia ter sido mais agressivo no ataque para voltar a Salvador com os três pontos na bagagem. Por outro, tem a análise do copo meio cheio e a valorização do ponto somado fora de casa, o que permitiu abrir exatamente um ponto de distância para a zona de rebaixamento.

Seja qual for o sentimento, além do pontinho somado o empate por 0x0 estabeleceu uma marca inédita para o Esquadrão na atual edição da Série A. O Vasco foi o único entre os 19 clubes que o Bahia enfrenta na competição que não conseguiu vazar a defesa tricolor no torneio.

O Esquadrão passou ileso nos dois jogos que fez contra o cruzmaltino. Além do empate por 0x0 em São Januário, no primeiro turno o Bahia conseguiu triunfo por 3×0, em Pituaçu.

“Vamos valorizar mais um jogo que não tomamos gol”, chegou a dizer o técnico Dado Cavalcanti após a partida no Rio de Janeiro. Pode parecer pouco, mas é algo representativo para o setor que é disparado o pior do time na temporada 2020.

Só no Campeonato Brasileiro, o Bahia foi vazado 54 vezes em 33 partidas, uma média de 1,63 gol por jogo. Nunca na história do Brasileirão por pontos corridos com 20 clubes o Esquadrão havia levado tanto gols. Para se ter uma ideia, até hoje o pior desempenho havia sido na temporada 2011, quando o time sofreu 49 gols em 38 jogos.

A crise no sistema defensivo fez o Bahia ostentar por muitas rodadas o posto de pior defesa. A marca foi superada justamente nesta 33ª rodada pelo Goiás, que com os três gols sofridos na derrota por 3×0 para o Fluminense se isolou com 57.

A partida contra o Vasco, inclusive, era a última chance que o Bahia tinha para conseguir terminar o Brasileirão sem levar gol de algum dos 19 concorrentes. Isso porque nos próximos cinco confrontos até o final do torneio, o clube já foi vazado por todos os adversários nos jogos do primeiro turno.

Tirando as duas partidas contra o Vasco e levando em consideração apenas um jogo, seja ele do primeiro ou do segundo turno, o Esquadrão só não levou gol nas vitórias  sobre Coritiba, Botafogo e Athletico-PR. Todas pelo placar de 1×0.

Luta contra o rebaiaxmento
Passado o confronto direto com o Vasco, o Esquadrão agora volta as atenções para o duelo com outro carioca. Amanhã, o tricolor recebe o Fluminense, às 21h30, na Fonte Nova, pela 34ª rodada.

A defesa pode sofrer novos desfalques. Além do lateral esquerdo Matheus Bahia, que já está fora por causa de lesão na coxa, o goleiro Douglas o lateral Nino Paraíba são dúvidas. O primeiro sofreu um corte no rosto e precisou levar cinco pontos após tomar um chute do zagueiro Leandro Castán, do Vasco. Já Nino sentiu dor no tornozelo.

Na frente, a baixa certa fica por conta do atacante Rossi, que recebeu o terceiro cartão amarelo e vai cumprir suspensão. Fessin e Clayson estão entre as opções para ficar com a vaga.

Outro que pode ser escalado no setor é colombiano Ramírez, que volta ao time após cumprir suspensão. Nesse caso, ele iria para a ponta direita e Daniel seria mantido no meio-campo. A decisão de Dado Cavalcanti vai ser tomada hoje, no único treino da equipe antes da partida.

“Há seis rodadas o nosso próximo jogo é sempre o mais importante. Temos um jogo quarta-feira que vai ser importante. Vamos pensar primeiro no Fluminense”, afirmou Dado.